Inicial > Estratégias > Setup para compras em correções da tendência

Setup para compras em correções da tendência

Há muito tempo acompanho o mercado sempre nos gráficos semanais e montando as operações sempre no rompimentos de topos ou resistências. Frequentemente ações muito interessantes com tendências fortes, que estou de olho para comprar, fazem uma correção um pouco mais forte e isso me impedia ou inviabilizava uma entrada por rompimento devido ao alto risco pelo stop largo.

Sempre que via esse cenário ficava com a pulga atrás da orelha perguntando se não valeria a pena entrar na correção, na retomada do movimento de alta, pois do contrário teria que esperar o rompimento, uma nova correção e um novo rompimento para compra. Vários amigos leitores do blog já fizeram perguntas semelhantes. Minha resposta sempre foi a mesma: tecnicamente é totalmente válido a operação, mas nunca testei e parametrizei e por isso não uso.

Essa semana resolvi testar essa variação do setup. Minha condição de compra seria baseada somente no price action, sem uso de indicadores. O tempo gráfico seria no diário. A compra ocorreria no rompimento da máxima do candle anterior de queda, num movimento de correção da tendência principal, sempre utilizando os filtros de seleção de papéis que já utilizo. O stop seria abaixo do fundo recente com ou sem folga.

A opção de não usar indicadores clássico de correção como IFR, estocástico, MACD, médias móveis, HiLo, Parabolic SAR, e muitos outros, é que como meu setup busca as ações mais fortes do mercado, na grande maioria das vezes a correção mesmo sendo um pouco mais forte que o normal não atingiria pontos de sobrevendido ou reversão nos indicadores, pelo menos não das calibragens clássicas. Obviamente poderíamos calibrar de modo a deixa-los mais sensíveis às variações de preços, mas preferi simplesmente não utilizar e fazer somente olhando os preços.

A maior parte das simulações gerou mais operações e menos lucro total que utilizando o setup somente de rompimento. Algumas poucas simulações geraram um lucro total um pouco maior, cerca de 10%, porém o drawdown (rebaixamento máximo de capital) aumentou também, em cerca de 15%. O lucro por trade diminui, bem como a taxa de acerto (pouco). Obs: não simulo compras piramidadas (acréscimo de posição).

Cheguei a testar para utilizar a compra em correção somente em ações com FR acima de 95, enquanto a de rompimento valeria acima de 90, mas não surtiu muito efeito.

Portanto minha conclusão é que não compensa muito adicionar essa variação para o setup atual, preferindo manter as compras em rompimentos somente. Mas é claro que como disse, é uma estratégia válida, então pode ser que caso haja uma ação muito forte (UNIP6 por exemplo) que estou querendo entrar de qualquer jeito mas justo agora ela fez uma correção mais forte, eu resolva entrar seguindo o setup de correção. Mas provavelmente será bem poucas exceções que utilizarei esse método.

Nos testes sistemáticos, precisamos escolher uma configuração exata para trabalhar de modo a não deixar subjetivo. Um trading system deve ser totalmente objetivo em todas suas regras. É basicamente como faço com meu setup de rompimento semanal, a parte gráfico dele considero 100% objetiva. A estratégia em si não é 100% objetiva porque ainda entra uma parcela de feeling, experiência ou gosto na seleção dos papéis, depois de filtrados seguindo os critérios definidos. Se seleciono 10 ações pelos critérios e tenho capital livre para somente 1, preciso selecionar de alguma forma e isso ainda não é objetivo.

Dito isso, agora falando sobre a variação para o setup de correção no gráfico diário, eu não selecionei exatamente uma configuração como definitiva, principalmente porque não utilizarei no dia a dia. Quando testamos, os resultados foram regiões de conjuntos de parâmetros interessantes que são lucrativos e não somente um conjunto. Até porque se somente uma combinação de parâmetros desse lucro, com certeza o setup não seria bom! Então eu vou descrever aqui uma idéia do que seria essa região e não uma regra estrita. Será mais ou menos o que vou usar se um dia decidir faze-lo. Lembrando que as regras básicas de filtro e tendência são as mesmas do setup de rompimento, somadas a essas para o gráfico diário.

As regras/parâmetros são:

Distância mínima entre a máxima do candle anterior para o topo recente = 3 ATR (para ter uma distância da compra até o topo; se for correção muito pequena é preferível a compra por rompimento do topo)
Distância máxima entre a fundo recente para o topo recente = 6 ATR (para não ser uma correção muito forte podendo indicar reversão na tendência)
Stop inicial = abaixo do fundo recente
Tamanho mínimo do stop = 2 ATR

Obs: O ATR utilizado é de 20 períodos do gráfico diário

Bem, essa é a idéia de uma estratégia de compra em correção. Eu gosto de manter as coisas meio simples, então se um dia for utilizar essa variação será mais ou menos com esses parâmetros, não necessariamente a ferro e fogo como faço no rompimento semanal. Na prática só considerarei utilizar esse também se a correção pelo gráfico semanal for maior que 2,5 ATR, que é meu limite definido para entrada por rompimento. Se a correção for inferior a isso eu nem pensarei em entrar pelo diário. E de novo, só usarei em ações muito interessantes e se eu for perder a oportunidade.

É isso! Desconfiança acabada, questionamentos respondidos, agora toco a vida como estava tocando sem ficar com o “SE” na cabeça, que é o maior martírio do trader.

Bons trades!

Rodrigo Sibin Lichti

Obs: As informações colocadas aqui são simplesmente meus registros pessoais, não são recomendações de investimentos para outras pessoas. Não sou profissional certificado de investimentos e não posso orientar nenhuma pessoa a comprar ou vender determinado ativo. Os comentários e respostas para os leitores são simplesmente trocas de idéias entre investidores.

Anúncios
Categorias:Estratégias
  1. Marcelo Silva
    2 de junho de 2018 às 19:10

    Olá Rodrigão.
    Quando você utiliza esta frase “O stop seria abaixo do fundo recente com ou sem folga.”. O que realmente seria está “folga” ? Em relação a utilização do gráfico diário , você entrará nas eventuais operações em que horário do pregão e o acompanhamento será feito no Leilão de Fechamento ? Abraço. (PS) A última amigo, sobre UNIP6 , tivemos o ativo indo até 36,xx e agora fechando a semana em 44,xx, você fez nova entrada por este setup de correção ? Abraço final …. kkkk

    • 3 de junho de 2018 às 4:57

      Fala Marcelo!

      Quando disse com ou sem folga seria as opções do teste. Como disse mais abaixo, a regra que foi melhor é:
      Stop inicial = abaixo do fundo recente (entre 1 a 10 centavos)
      Tamanho mínimo do stop = 2 ATR
      Ou seja, o que for mais longo.

      Eu não opero em leilão de abertura ou fechamento. Sempre deixo ordem de start de compra e entro automaticamente por disparo.

      Não fiz entradas recentes em UNIP6, somente aquelas 3 posições que venho carregando. Não fiz nenhuma entrada pelo diário ainda, em nenhuma ação, só vou deixar na manga as regras para um dia se estiver precisando comprar assim, mas vai ser bem raro!

      Abraços!

  2. Marcelo Silva
    3 de junho de 2018 às 16:18

    Nobre amigo Rodrigo,

    Uma dúvida geral, porém irei exemplificar com UNIP6. No caso de um papel com forte e clara tendência de alta (UNIP6), que fez uma alta muito intensa nos últimos dias, mais de 40 %, uma correção e lateralização seria saudável para voltar a tendência primária de alta, certo?
    Agora, inclua nessa fórmula um mercado todo caindo por conta de uma instabilidade política, econômica… (Wesley’s Day, greve dos caminhoneiro, etc)…
    Com isso o papel ao invés de corrigir ou lateralizar, tem uma queda bem acentuada, quase 30%…

    Nessas situações não valeria uma boa entrada nesse papel, aproveitando a promoção do dia!?!?! Já que sua correção não ocorreu por si só, mas sendo arrastada pelo mercado em pânico!

    Falo isso por que o mêdo no mercado derrubou tudo para baixo… e aqueles papeis fortes (com FR acima de 90) terão uma tendência de retomar o momento de alta mais rapidamente que os outros papéis mais fracos.. é isso que o William J. O’Neil cometa sobre papéis de mesmo grupo e de FR diferentes…

    Enfim, é apenas uma ideia… não fiz isso essa semana… mas quando a UNIP6 bateu nos R$ 50,00 tive vontade de sair da posição, ou pelo menos vender uma quantidade de ações relativa apenas ao valor investido inicialmente, e depois entrar com desconto lá pelos R$ 40,00… 20% menor!

    Comentei isso no seu outro post.. é uma dúvida antiga, mas acredito não ter conversado contigo antes… é sobre sair da posição após uma perda de um fundo prévio no semanal… você já testou dessa forma para saber qual seria mais lucrativo, ele ou o stop ATR 3.5X??

    Forte abraço.

    Marcelo Silva (MDG)

    • 3 de junho de 2018 às 17:52

      Sim, uma correção ou lateralização sempre é saudável após um forte movimento de alta. Eu prefiro a lateralização, que indica mais força do papel, não há força vendedora nem realização de lucros suficiente para derrubar o valor da ação. Além de deixar a ação com risco menor considerando o stop abaixo da mínima da congestão. Uma subida muito íngrime dá muita alegria rápida ao investidor porém sempre fico com medo porque é um movimento anormal do mercado. Em ações muito fortes esse movimento pode até se sustentar, mas na maioria das vezes uma correção forte é iminente. Então apesar de não gostarmos (eu inclusive!) quando uma ação boa faz algumas semanas de leve queda parando a rentabilidade da carteira, é muito saudável e racionalmente é o melhor cenário pois diminui as chances de quedas mais bruscas na minha visão.

      Agora mesmo com esse desespero e medo todo do mercado nas últimas 2 semanas, muitas ações não tiveram quedas como a UNIP6, considerando o último topo. MAGG3, SLCE3, SUZB3, FIBR3, TEND3 e até VALE3 tiveram correção leve, algumas só lateralizaram. MGLU3 até deu uma subida. Na minha opinião juntou 2 fatores para a queda forte da UNIP: essa instabilidade no Brasil e o fato de ela ter subido vertiginosamente nas semanas anteriores. Provavelmente se ela tivesse subido em um ritmo mais leve, não teria tido essa queda tão grande.

      Agora não podemos afirmar que a correção não ocorreu por si só, foi só pelo pânico. Toda ação que está subindo uma hora vai cair, e a UNIP ocorreu justo na mini-crise. Pode ter sido um agravante, mas não acho que foi a causa primária. Então eu acabo me abstraindo bastante de notícias para decisões de trading, porque sempre há notícias influenciando o mercado, mais ou menos relevantes. Mais focados em algumas empresas e setores ou generalizada como foi essa. Então independente do que ocorreu no Brasil ou mercado, eu vejo a situação do gráfico da ação e pronto.

      Mas realmente, uma queda dessa deixa a ação com preço mais barato, é possível comprar mais ações ou gastar menos. Com certeza uma entrada é válida, conforme mencionado no post. Afinal na situação atual da ação, uma entrada por rompimento deixaria o risco muito alto, em torno de 30% com stop abaixo do fundo. Então uma entrada nesse caso pela correção seria muito melhor negócio. Eu sinceramente se estivesse querendo comprar mais ações de UNIP teria feito uma compra nessa correção, porém como estou com mais de 1/3 do financeiro da carteira alocado nessa ação, já passou do meu limite de risco, então não vou comprar mais.

      Você tem razão sobre o comentário da retomada das ações com FR acima de 90, mas como disse acima, nessas mesmas semanas de pânico onde a UNIP despencou, outras ações cairam muito pouco ou nada, outras até subiram. Então esse comportamento da UNIP é para ligar um ponto de atenção pois demonstrou um ponto de fraqueza comparada a outras.

      Concordo com você, ter vendido a R$50 e recomprado a R$40 seria um trade espetacular! Mas quem iria pensar ou arriscar que ela iria cair esse tanto? E se ela caisse somente pra uns R$46-48 e voltasse a subir na mesma velocidade de antes? Ou se ela não tivesse corrigido nada nos R$ 50 e continuado batido pra cima? Você iria ficar de fora de um mega movimento e ficar se lamentando muito! A pior perda é o que se deixa de ganhar! Então para evitar essas situações de tentar prever o mercado, eu simplesmente sigo instruções e regras simples, sem nada subjetivo. Mas é válido sim, se você tiver boa leitura do mercado e acertas nessas operações, você pode ter mais lucro assim. Mas não é a minha praia! Eu prefiro o estido mais relaxado rss. E sigo a estratégia a risca, pode estar tudo despencando, não saio manualmente por nada, só quando bater no stop automático! Emocional fica firmão! Óbvio que não gostamos de estar perdendo, mas faz parte do game. Se testamos e vimos que o melhor stop é no ATR*3,5, então é porque tem motivo de ter escolhido esse valor, se stopamos manualmente antes durante a queda, não está servindo muito os testes feitos!

      É isso aí, boa sorte nos estudos e nos trades! A medida que for tendo sucesso vai compartilhando com a gente!

      Abração

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: