Arquivo

Archive for the ‘Aprendizado’ Category

Perdi a entrada (compra) da ação, o que fazer?

10 de março de 2018 7 comentários

Às vezes, geralmente por descuido, perdemos a entrada de compra em uma ação. Eu mesmo já fiz isso algumas vezes, faço todo dever de casa, analiso os gráficos, separo as ações que formaram o setup para compra, atualizo a planilha, atualizo o blog(!) mas esqueço de colocar a ordem no home broker! E é muito chato e frustrante! Principalmente se a ação dispara depois.

Então o que fazer nesses casos (que espera-se ser raros)?

Vamos tomar como exemplo a ROMI3 (gráfico ajustado), que inclusive um colega fez essa pergunta nesse período do gráfico.

A resistência estava em 7,75 na região mais a direita do gráfico semanal em dezembro. Eu fiz uma entrada no rompimento dessa resistência. Mas e se não tivesse feito? Quais as opções?

A primeira opção é esperar os preços recuarem até o preço de original de compra (7,75). É normal de uma vez acontecido o rompimento os preços recuarem e tocarem na resistência novamente, que acaba virando um suporte. Nesse caso da ROMI3 acabou acontecendo 2 vezes nas próximas semanas (linha horizontal azul):

A segunda opção é quando temos mais sorte e a ação rompe a resistência mas ainda fecha a semana abaixo do ponto de entrada. Nesse caso temos 2 escolhas: ou comprar imediatamente na abertura do pregão seguinte, provavelmente com preço mais barato que o original, ou colocar o start de compra no ponto original para confirmar se a ação atingirá aquele patamar novamente, dando uma segurança extra na operação, sendo menos suscetível a um rompimento falso. Exemplo acontecendo algumas semanas antes do gráfico anterior, onde está a seta azul:

Mas muitas vezes as ações com FR alto acima de 90 rompem e fazem uma forte alta sem olhar para trás (ou para baixo)! Nesse caso entram as próximas opções.

A terceira opção é pagar um pouco a mais do preço de entrada. Normalmente eu já aceito pagar um pouco mais, já que meu slippage que coloco no home broker na ordem de start de compra sempre é de 3% acima do preço de disparo. Apesar de não gostar quando as raras vezes que eu pego um slippage de 3%, digamos que num caso específico desses eu pagaria esse preço. Então nesse caso eu aceitaria comprar por no máximo 7,98.

Então se quando resolver comprar atrasado, os preços estiverem entre 7,75 e 7,98, eu compraria pelo valor de mercado. Agora se os preços estiverem acima de 7,98, eu poderia esperar os preços cairem e chegarem até esse patamar, mas eu acompanharia durante o dia o book e o gráfico intraday para ver se conseguiria comprar mais barato. É uma situação que não gosto, quando acontece fico meio ansioso. Por sorte é bem raro acontecer, mas acontece.

Então essa seria uma variação da opção 1 e seria uma opção bem particular, de esperar os preços cairem até o preço de entrada (7,75) ou até o preço com slippage aceitável (7,98). Como se tratam de ações em forte tendência de alta, pode gerar uma ansiedade e medo de esperar cair para entrar e os preços nunca chegarem a esse patamar e ficarmos de fora de uma possível forte alta posterior, gerando uma grande frustração. Então se for esse o caso, talvez fosse melhor aceitar e já tentar comprar na faixa dos 7,98 mesmo e saber que se os preços tiverem uma forte alta, o pequeno valor pago a mais será compensado.

Olhando pelo gráfico diário abaixo, vemos que o dia que os preços romperam a resistência (linha horizontal azul) fechou em 8,05 (primeira seta azul), o que significa 3,87% acima do preço de entrada, já fora de qualquer faixa aceitável de compra (linha horizontal verde). No dia seguinte a ação abriu a 8,19 e fechou a 8,62, que dá 11,22% acima do preço de entrada. Neste caso, dias depois os preços recuaram e atingiram os 2 patamares anteriores, mas em muitos casos isso não ocorre. Por isso se recuarem até somente a faixa mais alta talvez já seja interessante fazer a compra.

A quarta opção é se em último caso o preço não corrigir até o ponto de entrada ou aos 3% acima, eu acabo deixando passar a oportunidade e espero o preço corrigir no semanal até dar uma nova entrada pelo setup.

É o caso que aconteceu em UNIP6 em julho/2017 conforme gráfico abaixo. Caso fosse perdido a entrada do rompimento da resistência da linha azul, onde teria ocorrido na seta azul, não daria para entrar conforme nenhuma das opções anteriores, pois na semana do rompimento a ação subiu 37%! Nesse caso eu teria esperado uma nova correção, que aconteceu bem leve 2 semanas depois, formando uma nova resistência na linha verde, e eu poderia comprar no seu rompimento, que teria ocorrido na seta verde.

A quinta e última opção, mas que não costumo fazer porque sai do definido no meu setup e não testei essa variação, é olhar no gráfico diário e esperar uma correção, aí comprar na máxima do dia anterior, ou também acima da resistência mais próxima (topo recente). Tecnicamente são entradas válidas, o problema é onde ficará o stop loss inicial. Se puser no meu ponto original no semanal talvez fique muito longe. Se puser abaixo da mínima do candle recente formado (suporte no gráfico diário), ficará muito próximo, a chance de ser stopado é alta. Então por isso que é bem raro eu entrar no gráfico diário dessa forma.

É isso. Se alguém tiver outras opções interessantes por favor compartilhe!

Abraços e bons trades!

Rodrigo Sibin Lichti

Obs: As informações colocadas aqui são simplesmente meus registros pessoais, não são recomendações de investimentos para outras pessoas. Não sou profissional certificado de investimentos e não posso orientar nenhuma pessoa a comprar ou vender determinado ativo. Os comentários e respostas para os leitores são simplesmente trocas de idéias entre investidores.

Anúncios
Categorias:Aprendizado, Artigos

Realizações Parciais são boas?

28 de fevereiro de 2018 6 comentários

Recebi uma pergunta de um amigo hoje e decidi criar um post com a resposta, pode ser útil para mais pessoas.

P: Você comentou que não era favorável às realizações parciais, eu tambem não sou, porém quando vejo alguns ativos como ROMI3 que em menos de 60 dias está dando mais de 25% de lucro começo a ficar um pouco incomodado, qual sua visão?

R: Realizações parciais são menos rentáveis matematicamente falando. Ou o melhor ponto será o longo, ou o curto. Fazendo dois pontos de venda nunca será mais rentável do que vender tudo em um deles, basta fazer contas com números fictícios de compra e venda. Elas podem ser boas para o psicológico mas não para a rentabilidade. Sempre será uma média da rentabilidade do curto prazo com o longo prazo (supondo que essas sejam as expectativas de cada posição parcial). Se a ação disparar depois para 105% de lucro, você lucrará (105%+25%)/2 que dá 65%. Mas serve para o prejuizo também, se a posição restante cair e sair no 0%, você lucrará alguma coisa, no caso (0%+25%)/2 que dá 12,5%. Ou seja, esse recurso vai suavizando a curva de capital. Então no primeiro caso o melhor seria sair com toda posição nos 105% com a posição mais longa, e no segundo caso o melhor seria encerrar os 25%, com a posição mair curta. A realização parcial nunca será a mais rentável. Se fizermos backtests de uma ação ou de múltiplas veremos que o mais rentável será sempre uma das escolhas, mas nunca a RP. A vantagem dela é que com ela você melhora a taxa de acerto e diminui o drawdown. Uma outra desvantagem além da rentabilidade é que o dinheiro volta para sua conta e você precisa realocar em outra ação.

Eu minhas operações, ou eu vendo toda posição da ação, ou continuo com tudo, nunca faço realização parcial. A única exceção acontece com casos como da FESA4 recente por exemplo. Apareceu uma oportunidade melhor e eu estava com a carteira 100% alocada. Fiz o position sizing da nova ação porém o valor total era menor do que o total da FESA4, sendo assim vendi somente parte da FESA4 para ser suficiente para comprar a nova ação.

Realmente 25% em poucas semanas é muito tentador! Um belo rendimento. Acho que depende da meta e estratégia de cada um. Eu acho que é válido realizar um lucro dessses mas é interessante ter bem definido as regras de sua estratégia, qual o objetivo principal da estratégia e quais exceções podem haver no meio do caminho. Afinal a estratégia não se resume só a ter um lucro maior, outros fatores de avaliação são importantes também.

Eu sou muito simplista, sistêmico e direto ao ponto. O objetivo da minha estratégia é de seguir a tendência (trend following) o maior tempo possível e não sair até que a ação me diga para sair, segundo minhas regras. Apesar de 25% ser um ótimo lucro, eu busco rentabilidade bem maiores, de preferência acima de 100% quando possível. Por isso eu sou resistente a vender na subida, em congestões (mesmo que OBV ou similar estiver caindo) ou em correções de média amplitude (15-20%). Sempre permaneço acreditando que a ação possa continuar subindo mais e mais, até que ela me diga o contrário.

Eu lido melhor com regras bem definidas e não gosto muito de exceções, a não ser que bem testadas e que façam parte das regras. Não gosto de tomar decisões de mudar minha operação no meio, prefiro só olhar no gráfico e seguir instruções mecânicas, sem ter que ficar pensando na tomada de decisão. Eu acho que isso gera um stress a cada análise pois temos a tendência de ficar nos martirizando se estamos tomando a melhor decisão possível, portanto somente seguir regras nos pouca desse stress, e pra mim isso é muito importante. Quaisquer exceções técnicas que possam ter eu gostaria de testar antes se possível. Eu sigo fielmente a estratégia em todos os casos. Mesmo se o mercado ficar estranho com eleições por ex. ou qualquer outro motivo incluindo os técnicos, eu vou seguindo. A única regra que eu tenho de sair de uma ação antes de bater o stop é se minha carteira estiver 100% alocada e aparecer uma oportunidade mais interessante com FR alto, e alguma ação minha estiver perdendo força e estiver com FR mais baixo, aí eu faço a troca.

É uma questão de perfil, cada um deve operar como se sente mais confortável, tanto visando lucros quanto diminuindo prejuizos. Não existe certo ou errado, existe lucro ou prejuizo! E aproveitando, outra coisa muito importante além do lucro é o comportamento da carteira e da curva de capital durante esse processo. Por ex, eu prefiro ganhar 40% num ano com drawdown da carteira de 15%, do que ganhar 100% com drawdown de 50%. Seguindo essa linha, uma pessoa pode preferir usar RP por ter um perfil mais conservador, e está tudo certo! O perfil conservador, moderado ou agressivo vai determinar os tipos de operações, as regras e o prazo operacional que cada um vai escolher.

Espero que tenha ajudado a refletir sobre o assunto.

Abraços e bons trades!

Rodrigo Sibin Lichti

Obs: As informações colocadas aqui são simplesmente meus registros pessoais, não são recomendações de investimentos para outras pessoas. Não sou profissional certificado de investimentos e não posso orientar nenhuma pessoa a comprar ou vender determinado ativo. Os comentários e respostas para os leitores são simplesmente trocas de idéias entre investidores.

Categorias:Aprendizado, Artigos

A importância do stop móvel bem definido

24 de setembro de 2016 2 comentários

O stop móvel é um importante instrumento de proteção de capital e também de timing para encerrar uma operação lucrativa. Minha estratégia se baseia no gráfico semanal buscando operações de longo prazo, portanto usar um stop móvel muito curto me tirará da operação em qualquer leve correção ou ruído que o mercado fizer. Se eu usar um stop móvel muito longo permitirá que a posição flua mais livremente e medida que os preços sobem porém deixará muito lucro na mesa quando encerrar a posição. Portanto o segredo está em achar o stop móvel ideal.

Em meus backtests que fiz em diversas ações por vários anos, cheguei a conclusão para usar o stop ATR com multiplicador 3.0, conforme descrito no menu Estratégias: Setup – Parte 3. O stop está mais para longo, porém tentando achar um valor ótimo em comum entre as ações para que ele não seja pego em correções intermediárias, somente nas maiores e que possuam maiores chances de reversão da tendência primária.

Abaixo é um exemplo de um stop móvel extremamente bem colocado. É o gráfico da minha posição em RADL3, a seta azul foi onde eu comprei, no ponto da linha verde horizontal. A linha azul clara oscilando abaixo dos preços é o nível do stop ATR. A linha vermelha horizontal é onde estava meu stop até sexta-feira. Em agosto os preços fizeram uma correção de 3-4 semanas e em setembro voltaram a subir, e agora vou aumentar o stop, passando do meu ponto de entrada. O stop ficou bem abaixo de onde os preços passaram, considerando que se caíssem mais haveria maiores chances de reversão, portanto seria mais prudente sair da operação.

radl3_20160924

Abraços a todos e bons trades!

Rodrigo Sibin Lichti